fbpx
Início Agricultura Doenças da cultura do Milho: como identificar e manejar

Doenças da cultura do Milho: como identificar e manejar

764
0
Milho
Milho

O milho é uma cultura de grande importância para a agricultura brasileira. Segundo a Conab, a safra de grãos brasileira de 2018/19 deve chegar a 240,7 milhões de toneladas. Diante disso, é indiscutível que a produtividade gera a nossa rentabilidade. Muitas doenças podem provocar danos nas lavouras (de 50% a 100%). Para reduzir os danos e garantir uma boa produtividade, devemos conhecer as doenças na lavoura de milho e saber como combatê-las.

Doenças do milho viróticas, fitoplasma e espiroplasma

Dentre essas doenças, as mais importantes na cultura do milho são:

– MOSAICO COMUM (Sugarcane mosaic virus – SCMV)

O vetor são várias espécies de afídeos, sendo o pulgão o mais comum (Rhopalosiphum maidis).

Sintomas: áreas verde-claras a amareladas, intercaladas com áreas de coloração normal da planta (mosaico). Os sintomas podem desaparecer conforme a planta cresce, porém podem também se tornar necróticos.

Controle: o principal método de controle é o uso de variedades resistentes.

Figura 1 - Mosaico comum.
Fonte: EMBRAPA.
Figura 1 – Mosaico comum.
Fonte: EMBRAPA.

– ENFEZAMENTO VERMELHO – Fitoplasma (Candidatus Phytoplasma asteris)

O vetor dessa doença é a cigarrinha Dulbulus maidis.

Sintomas: avermelhamento das folhas, inicialmente com clorose marginal, em seguida, na fase de produção, observa-se o avermelhamento das pontas das folhas. Observa-se também maior número de espigas que produzem poucos ou nenhum grão e com um encurtamento dos internódios das plantas.

Controle: evitar plantios tardios. Uso de cultivares resistentes, podendo também utilizar inseticidas para controle da população de cigarrinhas.

Figura 2 - Enfezamento vermelho.
Fonte: Biogene.
Figura 2 – Enfezamento vermelho.
Fonte: Biogene.

– ENFEZAMENTO PÁLIDO (Spiroplasma kunkelii)

Essa doença é causada por um espiroplasma e também pode ser transmitida pela mesma cigarrinha do enfezamento vermelho (Dulbulus maidis).

Sintomas: são muito parecidos com os sintomas do enfezamento vermelho (aumento do número de espigas e encurtamento dos internódios). A principal diferença está na clorose do enfezamento pálido (cor esbranquiçada ou pálida) na base foliar e depois se estende por toda a folha

Controle: as mesmas medidas para o enfezamento vermelho são recomendadas para essa doença.

Para saber mais sobre fitoplasmas e espiroplasmas você encontra aqui.

Figura 3 - Enfezamento pálido.
Fonte: Biogene.
Figura 3 – Enfezamento pálido.
Fonte: Biogene.

Você sabe o que são níveis de Produtividade?

  • Produtividade Potencial
  • Produtividade Atingível
  • Produtividade Real

Explore o espaço entre a Produtividade Real e a Produtividade Atingível! Alcance a Produtividade Máxima e tenha como limite apenas os fatores que não podemos controlar! Solicite gratuitamente o seu e-book “7 estratégias para aumentar a sua produtividade”!

Doenças do milho bacterianas

Dentre as bactérias, a mais importante causando doença na cultura do milho é:

– PODRIDÃO BACTERIANA DO COLMO (Erwinia chrysanthemi pv. zeae)

Sintomas: súbito aparecimento de plantas tombadas com seca prematura. Pode ocorrer podridão do colmo em um ou em vários internódios, com um encharcamento dos tecidos e perda de firmeza ou rigidez dos tecidos do colmo. Os tecidos atacados exalam um característico odor desagradável.

Controle: uso de variedades resistentes, com manejo adequado da irrigação.

Figura 4 - Podridão bacteriana do colmo.
Fonte: EMBRAPA.
Figura 4 – Podridão bacteriana do colmo.
Fonte: EMBRAPA.

A Amostragem de Solo é uma das fases mais importantes para a correção do solo e a recomendação de adubação! Você quer minimizar ao máximo os erros na sua Amostragem de Solo? Solicite gratuitamente o e-book “Como realizar uma amostragem ideal”.

Doenças do milho fúngicas

São muitos os fungos que causam doenças na cultura do milho. Vamos apresentar aqui os mais importantes:

– FERRUGENS

– Comum (Puccinia sorghi)

Sintomas: manchas elípticas e alongadas em ambas as faces da folha com esporos de cor marrom-canela; ocorre em condições de baixas temperaturas e alta umidade.

– Polysora (Puccinia polysora)

Sintomas: manchas pequenas, circulares a elípticas, de coloração amarelada a dourado; ocorre em condições de temperaturas mais elevadas, menos dependentes da umidade.

– Tropical (Physopella zeae)

Sintomas: pequenos grupos de manchas paralelas às nervuras, esbranquiçadas, amareladas ou castanhas; ocorre em ambiente úmido e quente.

Controle: a principal medida de controle para as ferrugens é o uso de variedades resistentes.

Figura 5 - Ferrugem Polysora.
Fonte: DuPont.
Figura 5 – Ferrugem Polysora.
Fonte: DuPont.

– MANCHA FOLIAR DE Exserholium (Setosphaeria túrcica – Exerholium turcicum)

Sintomas: são lesões necróticas e elípticas com coloração do tecido necrosado variando de verde-cinza a marrom.

Controle: o controle também é feito utilizando variedades resistentes.

Figura 6 - Mancha foliar de Exserholium.
Fonte: Agrolink.
Figura 6 – Mancha foliar de Exserholium.
Fonte: Agrolink.

– MANCHA FOLIAR DE Bipolaris (Bipolaris maydis)

Sintomas: lesões de coloração marrom-claro a castanho, com bordos paralelos de forma elíptica ou fusiforme. Assemelham-se aos sintomas de cercosporiose.

Controle: uso de variedades e híbridos resistentes.

Figura 7 - Mancha foliar de Bipolaris.
Fonte: Informações agrícolas.
Figura 7 – Mancha foliar de Bipolaris.
Fonte: Informações agrícolas.

– MANCHA FOLIAR DE Diplodia (Diplodia macrospora – Stenocarpella macrospora)

Sintomas: lesões necróticas com formato variado, no centro do tecido necrosado observa-se o ponto inicial de infecção onde se inicia a formação de picnídios. Os sintomas podem ser confundidos com E. turcicum

Controle: uso de cultivares resistentes, escolha de melhor época e local de plantio.

Figura 8 - Mancha foliar de Diplodia.
Fonte: EMBRAPA. Foto: Carlos Roberto Casela.
Figura 8 – Mancha foliar de Diplodia.
Fonte: EMBRAPA. Foto: Carlos Roberto Casela.

– MANCHA FOLIAR DE Cercospora (Cercospora spp.)

Esta doença é causada por três espécies de fungos Cercospora zea-maydis, C. zeina e C. sorghi sp. maydis.

Sintomas: ocorrem nas folhas com lesões delimitadas pelas nervuras. A cor das lesões inicialmente varia de verde a marrom. Quando em condições de alta umidade, as folhas ficam cobertas de esporos, adquirindo coloração cinza.

Controle: resistência genética é a medida mais eficiente, podendo utilizar fungicidas também, porém o controle químico apresenta alto custo e só se justifica em campos de produção de sementes ou milhos especiais (milho doce, pipoca, etc.).

Figura 9 - Mancha foliar de Cercospora.
Fonte: EMBRAPA. Foto: Luciano Viana Cota.
Figura 9 – Mancha foliar de Cercospora.
Fonte: EMBRAPA. Foto: Luciano Viana Cota.

– ANTRACNOSE FOLIAR (Colletotrichum graminicola)

Sintomas: nas folhas – lesões necróticas pardacentas arredondadas ou ovaladas; no colmo – lesões estreitas com coloração castanha, os tecidos internos ficam escuros.

Controle: o uso de híbridos resistentes e a rotação de culturas consistem nas melhores medidas de controle.

Figura 10 - Antracnose foliar.
Fonte: EMBRAPA. Foto: Rodrigo Véras da Costa.
Figura 10 – Antracnose foliar.
Fonte: EMBRAPA. Foto: Rodrigo Véras da Costa.

– MANCHA BRANCA FOLIAR (Phaeosphaeria maydis e Pantoea ananatis)

Sintomas: inicialmente as lesões são pequenas e cloróticas e se tornam maiores, arredondadas a oblongas, com coloração esbranquiçada e bordos escuros.

Controle: o uso de híbridos resistentes é o melhor método de controle.

Figura 11 - Mancha branca foliar.
Fonte: EMBRAPA. Foto: Fabrício Lanza.
Figura 11 – Mancha branca foliar.
Fonte: EMBRAPA. Foto: Fabrício Lanza.

– PODRIDÕES DE COLMO E ESPIGA

Diplodia maydis

Sintomas: na parte externa dos internódios, os colmos apresentam uma despigmentação que pode variar de coloração palha a marrom. Internamente, vemos a medula desintegrada e com coloração alterada, mas sem desintegração do tecido vascular. O patógeno pode causar podridão de espigas, com sintomas iniciando na base da espiga, e o fungo também se desenvolve entre os grãos.

Controle: uso de cultivares resistentes, uso de adubação equilibrada e condições de plantio adequadas.

Figura 12 - Diplodia maydis.
Fonte: Agrolink.
Figura 12 – Diplodia maydis.
Fonte: Agrolink.

Fusarium spp.

Sintomas: os colmos apresentam uma alteração na coloração da medula de esbranquiçada a marrom. Em estágios avançados da doença, pode ocorrer a formação de cavidades no interior, podendo ocorrer a quebra do colmo. Na espiga, a infecção começa pela ponta e progride em direção à base. As estruturas podem ser observadas sobre e entre os grãos com uma coloração avermelhada a marrom-avermelhada. Os grãos ainda podem apresentar estrias brancas com crescimento cotonoso de coloração branca.

Controle: as mesmas medidas recomendadas para Diplodia sp. são utilizadas para Fusarium sp.

Figura 13 - Fusarium spp.
Fonte: Agrolink.
Figura 13 – Fusarium spp.
Fonte: Agrolink.

Colletotrichum graminicola

Sintomas: no colmo, iniciam com lesões estreitas, encharcadas que se tornam pretas com o passar do tempo, os tecidos internos se tornam escuros e entram em desintegração. É possível encontrar estruturas do fungo na casca do colmo.

Controle: uso de cultivares resistentes, adubação equilibrada e rotação de culturas são as práticas mais recomendadas.

Figura 14 - Colletotrichum graminicola.
Fonte: Agrolink.
Figura 14 – Colletotrichum graminicola.
Fonte: Agrolink.

>> Leia mais entrevistas em: “Conversa com especialista: O que você precisa saber sobre recuperação de pastagens”. Neste artigo, Matheus Arantes responde as dúvidas mais frequentes sobre recuperação de pastagens, iLP e iLPF.

>> Leia sobre o Preço do Milho em nosso artigo: “Principais fatores que influenciam os preços de milho e soja no mercado brasileiro”.

>> Leia mais entrevistas em: “Conversa com especialista: produção de volumoso por meio da fenação”. Nesta entrevista, Felipe Moura fala um pouco sobre a técnica de fenação, suas vantagens, armazenamento e importância nutricional.

Você conhece o curso Lucrar Alto Fora da Porteira da Agromove? Este curso é para você que quer:

🎯 Desenvolver ferramentas para tomar decisões difíceis em mercados competitivos e turbulentos.

🎯 Usar os recursos escassos e focar nas estratégias que geram lucro no curto prazo e retorno no longo prazo.

🎯 Criar medidas consistentes para direcionar o crescimento da empresa e a proteção do fluxo de caixa, ao longo do ciclo de investimentos.

🎯 Criar inteligência competitiva e ferramentas poderosas para gerar Resultado em mercados onde os compradores se tornam cada vez mais fortes e organizados.

🎯 Utilizar as ferramentas de Mercado Futuro e Opções para garantir o Lucro do seu planejamento Estratégico.

🎯 Orientar a sua produtividade para as oportunidades do Mercado.

Acesse https://materiais.agromove.com.br/lucrar-alto-fora-porteira e faça sua Matrícula no curso Lucrar Alto Fora da Porteira!

Curso Lucrar Alto Fora da Porteira.
Fazer minha Matrícula no curso Lucrar Alto Fora da Porteira!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here