fbpx
Início Agricultura 5 principais pragas da cultura da soja

5 principais pragas da cultura da soja

566
0
Vagens de soja no campo.

O Brasil volta ao posto de maior produtor mundial de soja. Ano a ano, observamos o aumento da produtividade da soja no Brasil. Contudo, para garantir altas produtividades o produtor está constantemente lidando com diversos desafios, dentre eles o combate às pragas.

Como todas as culturas agrícolas, o cultivo da soja sofre ataque de pragas que podem comprometer a produção, bem como a qualidade final dos produtos. Por isso, é muito importante conhecer quais as principais pragas da soja e estar atento a sua ocorrência.

Além disso, como já falamos no texto “Importância da identificação das pragas do milho”, o Brasil conta com um clima tropical quente e úmido que permite o cultivo de duas ou mais safras no ano, fazendo com que as pragas se mantenham em atividade no campo o ano inteiro. Condições climáticas de alta temperatura durante o verão e de temperaturas amenas no inverno são ideais para a multiplicação de pragas.

Do início do cultivo até o momento da colheita, muitas são as pragas que podem prejudicar a produção da soja no campo. Os problemas se iniciam ainda antes do plantio, com a presença de pragas em restos culturais do cultivo anterior e no solo, seguidos pelas pragas que atacam as plântulas e, por fim, as pragas que se alimentam de folhas, flores, vagens e grãos.

Dentro da grande diversidade de pragas, algumas se destacam pelo seu alto potencial destrutivo. Nesse texto vamos listar as 5 principais pragas da soja:

  • Percevejo-marrom (Euschistus heros)
  • Lagarta Helicoverpa (Helicoverpa armigera)
  • Lagarta-da-soja (Anticarsia gemmatalis)
  • Lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda)
  • Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus)

Percevejo-marrom (Euschistus heros)

Dentre as principais pragas da sojicultura, o destaque fica para o percevejo-marrom. Essa praga é de ampla ocorrência e requer muita atenção do produtor. Além da sua alta capacidade de causar dano e sua elevada ocorrência, essa praga já apresenta tolerância a diversos inseticidas.

Figura 1. Percevejo-marrom: inseto adulto (esquerda) e ninfa (direita).
 Fonte: https://www.agrolink.com.br/problemas/percevejo-marrom_1953.html
Figura 1. Percevejo-marrom: inseto adulto (esquerda) e ninfa (direita).
Fonte: Agrolink.

Embora o percevejo-marrom ataque também outras culturas, a soja é a principal hospedeira. Nos períodos de entressafra da soja, essa praga sobrevive se alimentando de plantas daninhas ou outras plantas cultivadas, como algodão, feijão e girassol. Também, em situações mais extremas de alimento escasso, o percevejo-marrom entra em diapausa* até o início da nova safra.

*Diapausa é um tipo de dormência causada nos insetos em decorrência a estímulos ambientais extremos não favoráveis ao seu desenvolvimento. É uma pausa temporária no desenvolvimento do inseto por uma diminuição do seu metabolismo.

O percevejo-marrom ataca as hastes da soja, mas os principais danos relacionados a essa praga são quando ela ataca as vagens em formação, levando a formação de “grãos chochos” (Figura 2).  Além dos danos causados pela sucção de seiva das hastes e grãos, o percevejo também injeta toxinas na planta durante a sua alimentação, provocando a “retenção foliar”. Assim, lavouras atacadas ainda apresentam dificuldades na hora da colheita e aumento da umidade dos grãos colhidos.

Figura 2. Sintomas de ataque do percevejo-marrom em vagem.
 Fonte: https://www.agro.bayer.com.br/alvos/percevejo-marrom
Figura 2. Sintomas de ataque do percevejo-marrom em vagem.
Fonte: Bayer.

Lagarta Helicoverpa (Helicoverpa armigera)

Certamente você já ouviu falar sobre essa praga. Mas por que ela é tão importante assim? A Helicoverpa armigera conta com alta capacidade de reprodução, período de desenvolvimento curto (30 dias), se adapta facilmente a diferentes condições, encontra condições climáticas favoráveis no Brasil e, para finalizar, conta com indivíduos resistentes a importantes inseticidas. 

Figura 3. Lagarta Helicoverpa (Helicoverpa armigera).
 Fonte: https://www.agrolink.com.br/problemas/helicoverpa_3056.html
Figura 3. Lagarta Helicoverpa (Helicoverpa armigera).
Fonte: Agrolink.

Essa praga está presente em todas as regiões produtoras de soja e tem alto potencial de dano, não apenas para soja, mas também para outras culturas como o algodão, o feijão e o milho. A sua capacidade de se alimentar de diversas espécies de plantas cultivadas, bem como plantas daninhas como a buva, garante a sua sobrevivência. Quando ataca a planta de soja, essa lagarta se alimenta, preferencialmente, de flores, vagens e espigas.

A identificação da lagarta Helicoverpa no campo é dificultada pela semelhança com outras lagartas como a Helicoverpa zea e a Heliothis virescens. Outro fator que dificulta sua identificação é a sua variedade de coloração desde branco-avermelhado a verde. Por isso, essa característica não é indicada para a identificação dessa praga durante o monitoramento.

Figura 4. Variações na coloração da lagarta Helicoverpa.
 Fonte: André Shimohiro em Embrapa.
Figura 4. Variações na coloração da lagarta Helicoverpa.
Fonte: André Shimohiro em Embrapa.

Para sua identificação é indicada a observação de pelos brancos na sua parte frontal e de estruturas escurecidas no pelo, como se fosse o formato de cela. Também, quando perturbada, a Helicoverpa curva a parte dianteira do corpo.

Para seu controle, indica-se monitoramento rigoroso, controle antecipado de plantas daninhas hospedeiras, utilização de cultivares Bt e aplicação de inseticidas quando o nível de ação for atingido no monitoramento.

Lagarta-da-soja (Anticarsia gemmatalis)

A lagarta-da-soja é uma praga de hábitos noturnos que, quando dia, fica em áreas sombreadas. Inicialmente as lagartas são de coloração verde-clara e possuem quatro pares de pernas no abdômen, sendo duas vestigiais.

Figura 5. Lagarta-da-soja na coloração verde-clara.
Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.
Figura 5. Lagarta-da-soja na coloração verde-clara.
Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.

Sua identificação é mais simples que a lagarta Helicoverpa. Conta com três linhas longitudinais claras no dorso. Em condições de pouco alimento ou altas infestações, torna-se de coloração mais escura.

Figura 6. Lagarta-da-soja.
Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.

Os danos causados por essa praga são raspagens inicialmente em pequenas áreas das folhas. Quando as lagartas são maiores, alimentam-se da folha deixando grandes “buracos” ou mesmo se alimentando da folha inteira. A desfolha pode chegar a 100% se a lagarta-da-soja não for monitorada e controlada corretamente.

Figura 7. Lagarta-da-soja na coloração escura.
Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.
Figura 7. Lagarta-da-soja na coloração escura.
Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.

Lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda)

A lagarta-do-cartucho é uma espécie canibal e, por isso, geralmente são encontradas poucas lagartas por planta. Sua coloração varia entre marrom, verde ou preta. Tem, na cabeça, uma listra que se inicia em Y invertido, que facilita muito a sua identificação.

As lagartas danificam as plantas se alimentando das folhas, hastes, vagens e grãos. Essa praga ocorre tanto no início como ao final do ciclo da cultura. Quando ocorrem na fase inicial, atacam a base do caule das plântulas causando falhas de stand.

Figura 9. Lagarta-do-cartucho atacando uma plântula.
Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.
Figura 9. Lagarta-do-cartucho atacando uma plântula.
Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.

O manejo da lagarta-do-cartucho deve iniciar com a dessecação da cultura de cobertura para a produção de palha no Sistema Plantio Direto (SPD). Se, durante o plantio for observada a presença de lagartas, deve ser realizada a aplicação de inseticidas para evitar redução do stand de plantas.

Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus)

A lagarta-elasmo se destaca por sua alta mobilidade. Uma única lagarta pode atacar até três diferentes plantas. As lagartas se alimentam do caule e das folhas das plantas jovens, levando a murcha ou, na maioria das vezes, tombamento. Assim, muitas vezes é responsável por causar grandes falhas nas linhas de plantio.

Figura 10. Lagarta-elasmo. Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.
Figura 10. Lagarta-elasmo.
Fonte: Manual de Pragas da Soja FMC.

Em plantas mais desenvolvidas, criam galerias no interior do caule onde se abrigam. O resultado do ataque é o enfraquecimento, tombamento e até a morte da planta. Contudo, o período crítico vai da emergência das plantas até o estágio V6/V7.

Figura 11. Lagarta-elasmo em galeria no interior da haste de soja.
Fonte: Phytus.
Figura 11. Lagarta-elasmo em galeria no interior da haste de soja.
Fonte: Phytus.

Sua coloração é inicialmente amarelada ou esverdeada com listras vermelhas no corpo. Quando adultas medem de 1 a 2 cm de comprimento e apresentam coloração rosácea com listras transversais marrons.

Sua ocorrência é favorecida em anos mais secos, com períodos longos de estiagem durante as fases iniciais das culturas. Também prefere solos arenosos e ausência de cobertura morta.

O controle químico é menos eficaz para a lagarta-elasmo já que geralmente fica “protegida” nas galerias dentro da planta. Para seu manejo, é indicado o tratamento de sementes com inseticidas sistêmicos.

Leia mais sobre a Cultura da Soja em:

Nova Plataforma Agromove

Você conhece as Plataformas Inteligentes Agromove? Tenha muito mais que as Cotações do Boi Gordo, Milho e Soja atualizadas diariamente em suas Mãos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here