O que é herbicida e como aumentar a produtividade de sua fazenda

0
688
Aplicação de herbicida com EPI.
Foto: Divulgação.

Dentre todos os métodos de manejo de plantas daninhas, o uso de herbicidas é o mais comum. Isso se dá principalmente pela sua rápida resposta e alta eficiência quando comparado com outros métodos. Mas, o que são herbicidas? Como eles são classificados? Quais são suas vantagens e desvantagens?

Neste texto, estas e outras dúvidas serão explicadas.

Você quer receber este artigo completo em PDF? Solicite aqui!

O que é herbicida?

Herbicidas são compostos químicos utilizados na agricultura como forma de combate às plantas daninhas. Eliminando os prejuízos causados pelas mesmas.

Os primeiros relatos sobre o uso de substâncias químicas para o controle de plantas daninhas, se dão do século XX. De acordo com Zimidhal (1993), por volta de 1908, pesquisadores como Bonnet (França), Schulz (Alemanha) e Bolley (EUA), utilizaram sais de cobre em conjunto com ácido sulfúrico para o controle no cultivo de cereais.

Herbicida: Vilão ou mocinho?

O uso de herbicidas, tal como o uso de outros métodos de controle, possui suas vantagens e desvantagens. Por isso, é importante ter conhecimento sobre estes aspectos na hora de escolher o melhor tratamento a ser utilizado.

De forma positiva, o uso de herbicidas traz:

  • Eficiência e rapidez, evitando a competição com as plantas daninhas desde a implantação;
  • Permite a prática do manejo de plantas daninhas em qualquer época do ano;
  • Não causa danos mecânicos à cultura e pode ser usado para controlar as plantas daninhas na linha da cultura;
  • Redução do tráfego de máquinas o que diminui problemas com compactação do solo;
  • Redução na necessidade do revolvimento do solo, diminuindo as chances de erosão.

Já os aspectos negativos são:

  • Necessidade do uso de equipamentos adequados, o que é um investimento elevado;
  • Mão de obra capacitada, a falta de capacitação de funcionários e produtores induz a uma aplicação inadequada;
  • Todos os herbicidas apresentam algum nível de toxidez para o ser humano e o ambiente, muito embora a tendência futura é ter uma queda cada vez maior;
  • O herbicida pode permanecer no ambiente por um longo período, podendo causar prejuízos a espécies cultivadas em rotação;
  • O uso contínuo pode estimular a resistência das plantas daninhas.

Saiba mais sobre resistência de plantas daninhas aqui.

A Amostragem de Solo é uma das fases mais importantes para a correção do solo e a recomendação de adubação! Você quer minimizar ao máximo os erros na sua Amostragem de Solo? Solicite gratuitamente o e-book “Como realizar uma amostragem ideal”.

Como são classificados?

Os herbicidas podem ser classificados de diversas formas. E em cada uma delas, alguma característica diferenciada é levada em consideração.

As principais classificações levam em consideração os seguintes aspectos:

1. Classificação segundo a época de aplicação

A classificação baseada na época de aplicação, decorre pela eficiência de absorção de cada parte da planta. Ou seja, aqueles aplicados no solo, são preferencialmente absorvidos por raízes ou estruturas subterrâneas, já aqueles aplicados na parte aérea possuem uma alta eficiência de absorção pelas folhas. De modo geral a classificação separa estes herbicidas em:

  • Pré plantioHerbicidas aplicados no solo e que devem ser incorporados a ele.
  • Pré emergente Herbicida aplicado após a semeadura da cultura ou antes da emergência das plantas daninhas. Este tipo de herbicida depende de solos úmidos para seu funcionamento adequado.
  • Pós emergente Herbicida absorvido principalmente pela parte aérea da planta daninha. Neste caso a cultura deve ter tolerância ao mesmo.

2. Classificação segundo a seletividade

Classificação importante, uma vez que ela se baseia em quais plantas são afetadas por determinado herbicida e quais não. São eles:

  • Herbicida seletivo – Podem ser seletivos para a cultura, ou seja, quando aplicados não causa danos à mesma. Porém, podem ser seletivos às próprias plantas daninhas, ou seja, afeta apenas um grupo de plantas daninhas sem causar danos a outro.
  • Herbicidas não seletivos – São aqueles com um amplo espectro de ação, afetando todas ou a maior parte das plantas daninhas.

3. Classificação quanto à estrutura química

Esta classificação geralmente é utilizada em conjunto com outras formas de classificação. Isso ocorre pois é um sistema limitado, baseado apenas na estrutura química dos herbicidas, e muitos herbicidas que atuam de diferentes formas possuem a mesma estrutura. O que pode acarretar um erro no uso do mesmo.

4. Classificação quanto ao mecanismo de ação

Victoria Filho , diz que o mecanismo de ação é:

“O mecanismo bioquímico ou biofísico afetado pelo herbicida que resulta na alteração do crescimento e desenvolvimento normal da planta podendo levar à morte”.

Pode ser dividida em:

  • Mimetizadores da auxina (Figura 1) – Estes herbicidas imitam o hormônio auxina e se ligam à proteína no lugar dele. Dessa forma eles impedem a formação da proteína e com isso o crescimento vegetal.

Exemplo: 2,4-D e Picloram.

Ação de herbicidas mimetizadores da auxina em plantas daninhas.
Ação de herbicidas mimetizadores da auxina em plantas daninhas.
Fonte: Mecanismo de ação dos herbicidas.
  • Inibidores da fotossíntese – Organismos fotossintetizantes utilizam luz para criar compostos para sua sobrevivência. Estes herbicidas atuam na fotossíntese impedindo que ela ocorra.

Exemplo: Atrazina, Diuron e Paraquat.

Ação de herbicidas inibidores da fotossíntese.
Ação de herbicidas inibidores da fotossíntese.
Fonte: Mecanismo de ação dos herbicidas.
  • Inibidores da divisão celular – Paralisam o crescimento da planta, principalmente de radículas (raízes recém germinadas). Geralmente são usados para gramíneas.

Exemplo: Visor 240 e Treflan.

Ação dos herbicidas inibidores da divisão celular.
Ação dos herbicidas inibidores da divisão celular.
Fonte: Mecanismo de ação dos herbicidas.
  • Inibidores de crescimento – Impedem a emissão de folhas nas plantas recém germinadas. Geralmente é usado para gramíneas ou plantas de folhas largas no início da germinação.

Exemplo: Kadett e Machete.

Ação dos herbicidas inibidores de crescimento.
Ação dos herbicidas inibidores de crescimento.
Fonte: Ministry of Agriculture Food and Rural Affairs.
  • Tiocarbamatos – Inibem a biossíntese de compostos essenciais para as plantas.

Exemplo: EPTAM e Saturn 500.

Ação dos herbicidas tiocarbamatos.
Ação dos herbicidas tiocarbamatos.
Fonte: EMBRAPA.
  • Inibidores da enzima PROTOX – Este grupo de herbicidas inibe a ação da enzima PROTOX, que é uma enzima precursora da clorofila. Impedindo, consequentemente, a ação da fotossíntese.

Exemplo: Blazer e Flex.

Ação dos herbicidas inibidores da PROTOX.
Ação dos herbicidas inibidores da PROTOX.
Fonte: Mecanismo de ação dos herbicidas.
  • Inibidores da síntese de caroteno – Provocam o branqueamento das folhas deixando-as suscetíveis a queimaduras e impedem a realização da fotossíntese.

Exemplo: Gamit e Provence 750 WG.

Ação dos herbicidas inibidores de caroteno.
Ação dos herbicidas inibidores de caroteno.
Fonte: EMBRAPA.
  • Inibidores da síntese de aminoácidos – Um dos grupos de herbicidas mais importantes comercializados. Em plantas susceptíveis, ocorre a paralisação do crescimento dentro de 7 a 10 dias após a aplicação do herbicida.

Exemplo: Glifosato.

Ação dos herbicidas inibidores de aminoácidos.
Ação dos herbicidas inibidores de aminoácidos.
Fonte: Mecanismo de ação dos herbicidas.
  • Inibidores da síntese de lipídeos (ACCase) – Controla gramíneas de maneira geral, embora a tolerância varie de espécie para espécie. Afeta a enzima ACCase que é essencial na biossíntese de lipídeos.

Exemplo: Starice e Hoxan.

Ação dos herbicidas inibidores de lipídeos.
Ação dos herbicidas inibidores de lipídeos. Fonte: Mecanismo de ação dos herbicidas.

5. Classificação quanto à translocação

Neste tipo de classificação, é levada em consideração a movimentação do herbicida dentro da planta.

  • Herbicida de contato – Não translocam ou translocam muito pouco. Apenas causam danos nas partes da planta em que entram em contato, então precisam de uma boa cobertura na aplicação.
  • Herbicida sistêmico – São capazes de se movimentar livremente dentro da planta. Podendo ser, via vasos de condução (floema, xilema ou ambos).

6. Outras classificações

Existem outras classificações bem mais específicas. Por exemplo, quanto à lixiviação, volatilidade, toxicidade, solubilidade, polaridade, etc.

Há ainda outras formas de se classificar, que não são aceitas globalmente. Como a classificação pelo meio em que é utilizado, em herbicidas aquáticos, por exemplo.

É muito importante ressaltar que, por serem muito diversos, os herbicidas não pertencem rigidamente a cada classificação. As classificações abordam apenas alguns aspectos relacionados ao comportamento do produto. Por isso, nenhuma delas está totalmente correta ou é definitiva.

Você sabe o que são níveis de Produtividade?

  • Produtividade Potencial
  • Produtividade Atingível
  • Produtividade Real

Explore o espaço entre a Produtividade Real e a Produtividade Atingível! Alcance a Produtividade Máxima e tenha como limite apenas os fatores que não podemos controlar! Solicite gratuitamente o seu e-book “7 estratégias para aumentar a sua produtividade”!

Quais são os principais cuidados que devem ser tomados com o herbicida?

Tal como os medicamentos, os herbicidas requerem alguns cuidados. Estes cuidados devem ser tomados em sua aplicação, em seu armazenamento e até mesmo quando for feito o descarte de sua embalagem.

As recomendações contidas no rótulo do produto, no receituário do agrônomo e na bula devem ser seguidas rigorosamente. Em caso do não cumprimento adequado, o uso de herbicidas torna-se altamente perigoso para os seres humanos, principalmente, o aplicador e para o meio ambiente.

Durante a aplicação deve-se usar o equipamento de proteção individual (EPI) e pulverizadores adequados. O uso de EPI (Figura 10) é importante também durante o preparo e manipulação do herbicida.

Partes de um EPI, para usar na aplicação de herbicidas.
Partes de um EPI.
Fonte: Guia orientativo para a gestão da segurança e saúde no trabalho rural no Brasil.

O armazenamento deve ser feito em locais frescos, protegidos da luminosidade e de umidade. Alguns produtos podem ser inflamáveis. Portanto, é necessário tomar precauções quanto a isso também.

Para o descarte das embalagens, é necessário realizar a tríplice lavagem, que seria lavá-las 3 vezes para que não fique nenhum resíduo nas mesmas. Em seguida, estas embalagens limpas devem ser levadas ao posto de recebimento mais próximo.

É importante ressaltar que o agricultor deve sempre estar atento às interações entre a cultivar e o herbicida aplicado. Pois existem algumas cultivares que são sensíveis a determinados herbicidas. Para isso, consulte sempre o agrônomo responsável pela área.

Você conhece a Nova Plataforma Agromove? Tenha muito mais que as Cotações do Boi Gordo, Milho e Soja atualizadas diariamente em suas Mãos!

Nova Plataforma Agromove
Nova Plataforma Agromove

Quais são as principais alternativas?

Apesar dos grandes avanços das pesquisas, para a diminuição da toxidez dos herbicidas aos seres humanos e ao ambiente, ainda há muito a se fazer.

Por conta disso, existem algumas alternativas para diminuir o uso destes químicos.

Uma das alternativas, também a mais eficaz, é utilizar outros métodos de manejo das plantas daninhas (método cultural, método mecânico e método biológico).

Método Cultural

O método cultural inclui rotação de cultura, estímulo do crescimento da cultura até o fechamento de sua copa (o que diminui o dano causado pela planta daninha à mesma) e seleção da cultura a ser implantada na área visando maior competitividade com as plantas daninhas.

A principal vantagem deste método sobre o uso de herbicidas, é que cria uma dinâmica competitiva na área colaborando para o manejo das plantas daninhas.

Porém, sua maior desvantagem é que este tipo de manejo demanda tempo e o uso de herbicidas é bem mais rápido.

Método Mecânico

Para o controle mecânico utiliza-se equipamentos que realizam o arranquio físico como enxadas, arado ou até mesmo a própria mão.

Sua principal vantagem é a minimização do investimento, pois não é necessário comprar nenhum equipamento, além dos já utilizados para outras funções. Já a desvantagem é que o uso contínuo deste método pode causar compactação do solo e erosão como efeito colateral. Geralmente utilizado em pequenas propriedades, em razão da mão de obra necessária.

Método Biológico

Já o controle biológico é composto pela disposição de inimigos naturais (insetos, bactérias, fungos, outras plantas, etc.) das plantas daninhas. Assim, sua ação diminui a população dessas plantas e, consequentemente, sua competitividade com a cultura.

Saiba mais sobre Controle Biológico em nosso artigo “Controle Biológico: uma alternativa para o manejo de pragas e doenças”.

Este método possui a vantagem de necessitar de apenas uma aplicação, tendo uma capacidade de se autorregular continuamente a partir de então. Porém, é um método muito caro e sua aplicação depende de diversos fatores ambientais. Portanto, não há garantias de que o mesmo irá funcionar na primeira tentativa.

Gráfico de autorregulação do controle biológico.
Gráfico de autorregulação do controle biológico.  Fonte: UFTM.

Além destes métodos, existe o uso de herbicidas naturais. Estes herbicidas naturais são compostos orgânicos derivados de outras plantas como fumo, ou então, sal e vinagre. Eles possuem ação de diminuir e até mesmo impedir o crescimento de plantas daninhas sem afetar a planta cultivada.

Este método é bastante eficaz e amigável ao meio ambiente. Porém, é mais utilizado para jardins ou pequenas áreas por conta da sua inviabilidade para grandes culturas. É importante alertar que o uso exagerado desses herbicidas pode acarretar reflexos negativos às plantas cultivadas. Portanto, devem ser aplicados com cuidado e em pequena quantidade.

Conclusão

O uso de herbicidas ainda é o mais comum e, em alguns pontos de vista, o mais viável, principalmente quando se trata de grandes culturas.

É necessário ter conhecimento sobre as classificações dos herbicidas e utilizar uma ou mais para escolher o herbicida mais adequado.

O cuidado com o manejo, armazenamento e descarte das embalagens dos herbicidas devem ser realizados rigorosamente.

Existem vantagens e desvantagens de outros métodos de manejo de plantas daninhas sobre o uso de herbicidas. Desse modo, é necessário avaliar o tamanho da área, a cultura a ser implantada, o objetivo do plantio (orgânico ou não), o investimento disponível, etc. Para somente depois definir o melhor método de manejo de plantas daninhas.

Recomenda-se sempre consultar um especialista na área.

Restou alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo!

>> Leia mais sobre Plantas Daninhas nos nossos artigos: “Plantas daninhas: um glossário sobre o seu manejo”, “Plantas daninhas: um guia prático para o produtor” e “Por que você precisa saber sobre o manejo integrado de plantas daninhas (MIPD)?”.

Quer saber como aumentar a rentabilidade da sua fazenda? Acesse Agromove.

>> Você conhece os Simuladores Econômicos da Agromove? Eles nos ajudam a preparar um bom planejamento e simular cenários. Elaboramos duas planilhas especiais que auxiliam a entender se você está fazendo um bom investimento com o seu dinheiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here