Por que você precisa saber sobre o manejo integrado de plantas daninhas (MIPD)?

0
671
Plantas daninhas
Plantas daninhas

O manejo de plantas daninhas vem se tornando cada vez mais custoso e difícil nos dias atuais. Neste texto será explorado um pouco sobre como o manejo integrado de plantas daninhas pode ajudar a diminuir estes problemas.

Você quer receber este artigo completo em PDF? Solicite aqui!

O que são Plantas Daninhas?

Primeiramente, é preciso entender o que, de fato, é considerada uma planta daninha. De acordo com Lorenzi (2014), planta daninha é toda planta que não é desejada no ambiente em questão. Competindo com a planta cultivada por sol, água e nutrientes. Essa competição causa grandes perdas para o produtor, tanto no ponto de vista econômico quanto quando se trata de produção.

A ação das plantas daninhas pode gerar uma perda de até 70% da produção total de uma lavoura. (WSSA – Weed Science Societe of America)

Se considerarmos esse percentual em uma cultura como a soja, que possui uma produção de 3.362 kg/ha (CONAB,2019), a perda seria de 2.352,4 kg/ha o que acarretaria em um prejuízo de R$ 3.216,30. (Saiba mais sobre a cultura da soja aqui)

Você sabe o que são níveis de Produtividade?

  • Produtividade Potencial
  • Produtividade Atingível
  • Produtividade Real

Explore o espaço entre a Produtividade Real e a Produtividade Atingível! Alcance a Produtividade Máxima e tenha como limite apenas os fatores que não podemos controlar! Solicite gratuitamente o seu e-book “7 estratégias para aumentar a sua produtividade”!

Resistência de Plantas Daninhas

Tal como qualquer ser vivo, as plantas daninhas possuem uma alta capacidade de resiliência e adaptação, podendo com o tempo se adequar a situações impróprias para a sua sobrevivência. Ou seja, se um mesmo agente aplica uma mesma pressão negativa em um determinado ambiente, os seres vivos presentes nele passam a se adaptar a esta pressão criando uma resistência à esta ação, que é passada para as gerações futuras.

Do ponto de vista das plantas daninhas, os agentes que aplicam esta pressão negativa são os métodos de manejo utilizados.

Destes métodos o manejo químico, ou seja, o uso de herbicidas é o mais comum. Embora não existam dados anuais contínuos, sabe-se que o mercado de herbicidas no Brasil cresceu exponencialmente. Passando de R$ 1 bilhão em 1996 para mais de R$ 3 bilhões em 2008 (figura 1). Com esses dados é possível perceber que este método é considerado o favorito dos produtores. Principalmente pela sua rápida eficiência e garantia de sucesso em comparação com os outros métodos.

Figura 1- Gráfico da evolução do mercado de herbicidas no Brasil (1996-2008) 
Fonte: SINDAG
Figura 1- Gráfico da evolução do mercado de herbicidas no Brasil (1996-2008)
Fonte: SINDAG

No entanto, como já foi explicado antes, o uso constante de uma pressão negativa, estimula a resistência dos seres vivos a ela. Portanto o uso constante de um determinado tipo de herbicida em plantas daninhas, estimula a resistência das mesmas a esse agente químico.

O grande problema causado por esta resistência para o produtor é que, no momento que as plantas daninhas se tornam resistentes a um herbicida ele deixa de ser eficaz. E como são necessários no mínimo 10 anos para o desenvolvimento de uma nova fórmula, o número de herbicidas eficazes diminui à medida que as plantas daninhas se tornam resistentes.

Mas, aí você se pergunta, como eu poderia combater este problema?

A resposta está em diversificar, e é possível alcançar este resultado com o manejo integrado de plantas daninhas (MIPD).

O MIPD é o uso de diferentes métodos em conjunto, para combater de maneira mais rápida e eficiente a ação destas plantas.

Este tipo de manejo engloba: o uso de métodos culturais como o manejo mecânico, escolha da melhor época de plantio, seleção de sementes sadias e certificadas; a rotação de culturas, ou seja, o plantio de diferentes culturas por safra em uma mesma área; e a rotação de herbicidas.  

A rotação de herbicidas nada mais é que alterar o herbicida baseando-se no seu modo de ação (simples ou múltiplo). Alterando a cada diferente fase da cultura (pré emergente, pós emergente e final de safra) e cada a safra.

Com o uso deste tipo de manejo, é possível diminuir o prejuízo econômico e retardar a resistência desenvolvida pelas plantas. É por conta destes aspectos que o manejo integrado de plantas daninhas é o método mais indicado pelos profissionais. Além de ser considerado um método sustentável por ter um menor impacto ambiental.

A Amostragem de Solo é uma das fases mais importantes para a correção do solo e a recomendação de adubação! Você quer minimizar ao máximo os erros na sua Amostragem de Solo? Solicite gratuitamente o e-book “Como realizar uma amostragem ideal”.

Restou alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo!

>> Leia mais sobre Plantas Daninhas nos nossos artigos: “Plantas daninhas: um glossário sobre o seu manejo”, “Plantas daninhas: um guia prático para o produtor” e “O que é Herbicida, e como aumentar a produtividade de sua fazenda”.

Quer saber como aumentar a rentabilidade da sua fazenda? Acesse Agromove.

Você conhece as Novas Plataformas Inteligentes Agromove? Tenha muito mais que as Cotações do Boi Gordo, Milho e Soja atualizadas diariamente em suas Mãos!

Nova Plataforma Agromove
Nova Plataforma Inteligente Agromove

photo credit: blumenbiene Hanffeld via photopin (license)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here